Redação sobre uma viagem que fizeram (detalhando o ambiente)

•novembro 7, 2008 • Deixe um comentário

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } –>

Meu Paraná

Nas minhas férias de janeiro de 2008 eu e minha família fomos na praia de Matinhos no Paraná, perto de Curitiba. Na estrada eu vi muitas coisas interessantes como: flores, carros, rios, pássaros, plantações…

Logo no começo senti um cheiro horrível; até achei que alguém tinha soltado um pum!!! Mas minha mãe e meu pai me explicaram que a gente estava perto de um usina de cana- de – açúcar, aliás eu vi muitas plantações de cana-de-açúcar. E é da cana de açúcar que se faz o açúcar usado para adoçar nossos deliciosos doces.

Também vi muitas plantações de “soja”, não dá nem para imaginar que daquelas bolinhas faz óleo para fritar as batatinhas que eu tanto gosto!!!

Não posso esquecer de falar das plantações de milho que já vi. Eu amo milho cozido com arroz e na espiga… enfim de todo jeito.

Ah… vi também muitas criações de gado, o gado que dá a carne do churrasquinho que eu tanto amo!!! E a vaquinha que me dá o leite que eu tomo que a nutricionista mandou eu tomar para fortalecer os ossos, para eu crescer e ficar forte.

Nessa viagem eu percebi uma coisa muito interessante… Em alguns lugares eu vi que a terra era de uma cor avermelhada e aí lembrei que um dia a professora falou que a terra vermelha é a melhor terra para se plantar. Lá perto de Curitiba eu vi que a terra é da cor branca, e não tem quase nenhuma plantação de milho, soja, trigo, mas tem aquelas árvores grandes que faz no papel.

Quando cheguei à praia não vi nenhuma plantação de produtos alimentícios. Mas quando eu ia comer eu já sabia de onde quase tudo vinha, e algumas vezes eu percebi que vinha aqui de perto da minha casa; como por exemplo: a picanha que eu comi; vinha daquele boi que eu vi na estrada; o suco que eu tomei com açúcar; vinha lá daquela usina fedorenta, o peixe que eu comi veio lá do fundo do mar.

Nessa viagem além de me divertir eu aprendi que nós não podemos viver sem a agricultura. E como é RICO meu PARANÁ, você já percebeu? Sou pé VERMELHO com muito orgulho.

Giovanna Bueno Antunes/ Nova Fátima- Paraná

Redações dos meus alunos da 4ª série do Ensino Fundamental

•novembro 6, 2008 • Deixe um comentário

Pedi para que os alunos fizessem uma redação sobre os direitos das crianças após ter trabalhado os mesmos. Leiam está redação, logo postarei mais, espero que gostem.

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } –>

DIREITOS DA CRIANÇA

Toda criança tem que ter uma boa alimentação, com arroz, feijão, carne e salada na mesa, pois senão ela cresce sem os nutrientes necessários para um crescimento saudável.

As frutas podem ser sobremesas deliciosas e ricas e vitaminas que as crianças necessitam para o desenvolvimento.

Toda criança tem que ter uma casa. Seja condomínio, apartamento, casa própria, alugada ou cedida, as crianças precisam de moradia para dormir, se proteger do frio e dos perigos da rua, etc.

A brincadeira é a atividade favorita das crianças, pois brincando, elas imaginam, se divertem e sonham…

Todas as crianças têm que ter um tempo para a brincadeira porque na infância somos puros e livres e temos que brincar, mas não em qualquer lugar! As crianças devem brincar em lugares seguros e com máxima segurança; brincar no carro, em lugares muitos altos, perto de rios fundos são alguns lugares que as crianças não devem brincar, pois são perigosos.

As crianças têm que brincar de bola, bonecas e do que elas quiserem mais com muito cuidado!

Todas essas coisas não estão sendo respeitadas pelos adultos.

Os pais dão doces, chicletes, salgadinhos para os seus filhos em vez de frutas, todas as porcarias chamadas “doces”, estão substituindo os alimentos da natureza…

Em vez de dormir numa cama, as crianças brasileiras estão dormindo em papelões jogados nas calçadas, que já foram passados ninguém sabe onde!

Tudo isso está acontecendo pela corrupção dos políticos que prometem e não cumprem.

Enquanto filhos de ricos brincam, filhos de pobres trabalham para sustentar a família que pode até passar fome!

Nada do que deveria ser está sendo cumprido!

Eu queria que a igualdade invadisse o Brasil e o mundo para que todas as crianças tivessem comida na mesa, tivessem tempo e segurança para brincar e oportunidade para estudo e educação!

Gabriella Facco/ Nova Fátima- Paraná

Informática para a mudança na educação

•outubro 6, 2008 • 1 Comentário

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0cm } P.western { font-size: 12pt; font-weight: bold } P.cjk { font-size: 12pt; font-weight: bold } –>

O uso do computador nas escolas

Desde de algum tempo as pessoas já vem falando, escrevendo artigos, sobre o uso dos computadores nas escolas em algumas disciplinas. Assim sendo, tornou-se necessário a especialização de professores nessa área, pois, houve um grande avanço em nossa sociedade cultural, novos hábitos, novos modos de trabalhar e de aprender, novas necessidades e desafios relacionados à utilização das tecnologias de informação e comunicação, foram surgindo. (Tornando se necessário a Introdução à Educação Digital).

A educação escolar não podendo ficar para trás, resolveu se organizar e criar cursos,(como exemplo temos o Proinfo) visando estimular o professor e o gestor escolar a refletir sobre o porquê e o para que utilizar essas tecnologias, oferecendo os instrumentos tecnológicos como meios para desenvolver atividades significativas e refletir sobre os diversos temas que fazem parte de sua prática docente.

Se fizermos uma pesquisa sobre o uso das tecnologias em sala de aula, vamos perceber que existem vários artigos que podem nos ser de grande valia. Quando nos referimos a uso de computadores em sala de aula, principalmente no ensino de ciências e de matemática, o computador se torna uma ferramenta muito útil, podendo ajudar professores juntamente com seus alunos, a resolver problemas valendo-se de modelos físicos e de modelos que se possam utilizar o computador.

Como por exemplo o uso de planilhas, que no caso do programa que utilizamos o Linux, é o Broficce.orgCalc., uma tabela multifuncional, preparada para efetuar cálculos, operações matemáticas, projeções, análises de tendências, gráficos ou qualquer tipo de operação que envolva números. Assim futuramente poderemos trabalhar álgebra com os nossos alunos da 8ª série do ensino fundamental e séries do ensino médio, levando em conta que a computação permite oferecer um conjunto mais rico de experiências algébricas para todos os estudantes.

O exemplo citado acima é apenas um, dos que podemos trabalhar com os nossos alunos utilizando o computador, ou seja nosso laboratório de informática. Os alunos de grau intermediário gostam de criar coisas e de usar a tecnologia, “portanto está em nossas mãos tornar o ensino e a aprendizagem cada vez melhores, pois não somente alunos aprendem mais, e gostam do que estão fazendo , mais os professores também.”

Não podemos esquecer que existem alguns alunos que já cresceram em ambientes ricos de tecnologia e as usam na vida cotidiana para estudar, relacionar-se, comprar, informar-se, divertir-se, estes, portanto, não sentirão dificuldades em trabalhar com o computador no laboratório, pelo contrário pode até nos auxiliar em nosso trabalho, já que (meu caso) muitos ainda estão se adaptando a esse novo ambiente tecnológico, incorporando-o cada vez mais à sua vida cotidiana.

Sendo assim, o curso do Proinfo, que estamos fazendo, nos é de grande valia , pois, está nos proporcionando um grande conhecimento relacionado a Introdução à Educação Digital, fazendo com que possamos descobrir, que sempre é tempo de mudanças e de aprendizagem, principalmente no que diz respeito à educação, e que o importante é que não deixemos nos intimidar pelo desconhecimento desse tipo de trabalho, pois podemos mudar de postura modificar nosso ambiente social e juntamente com nossos alunos enriquecer nossa produção e atuação, promovendo assim à educação digital.

Bibliografia:

Artigos de: Albrecht Bob

Luscombe Clint Mason

Widmer Connie

Firedrake George

Sheffield Linda

Niess Margaret

Introdução à educação digital: caderno de estudo e prática/ Beth Bastos… [et al.] – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação à Distância; 2008. 268 p.

1. Educação a distância 2. Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional. I. Bastos, Beth. II. Brasil. Ministério da Educação . Secretaria de Educação à Distância.

Continuação dos slides das aulas de ciências

•outubro 4, 2008 • Deixe um comentário

Slides para aulas de ciências: Sistema Nervoso (7ª série)

•outubro 4, 2008 • Deixe um comentário

Relatório de experiência utilizando recursos tecnológicos

•outubro 2, 2008 • 2 Comentários

Tenho duas turmas de sétima série, no peŕiodo matutino, na disciplina de Ciências, na Escola Estadual Dr. Aloysio de Barros Tostes do município de Nova Fátima.

Durante o terceiro bimestre trabalhei com os alunos sobre a reprodução humana, e os recursos tecnológicos foram de grande valia, pois, durante minhas aulas apresentei slides sobre a sexualidade na adolescência, órgãos dos sistemas genitais masculino e feminino. E pedi para que os alunos produzissem um texto sobre os temas abordados. e seguindo roteiro. Todos participaram com grande entusiasmo e produziram textos muito bons. Após a verificação dos textos, pude perceber que houve um maior percentual de aprendizagem com relação ao mesmo tema abordado sem utilização de recursoso tecnológicos. Os alunos adoram que nós professores utilizemos a tv multimídia, por isso, estou me capacitando para que minhas aulas fiquem cada vez melhores.

Aprendendo com e ao longo da vida

•setembro 29, 2008 • Deixe um comentário

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } –>

APRENDENDO COM E AO LONGO DA VIDA

A educação em seu âmbito geral pode nos tornar pessoas mais livres, que aprende a conviver com nossas dificuldades, que aprende a conviver com as pessoas, com os animais, com o planeta, com o universo. A mesma é muito eficaz quando nos ajuda a vencer, enfrentar e a encontrar forças para avançar e alcançar novos caminhos de realização. É preciso que a educação participe como um todo em nossas vidas, para que ela faça parte da construção do nosso ser pessoal, profissional e social. “Isso está em nossas mãos.”

Todos os momentos de nossa vida, são momentos de aprendizagem, com o passar dos anos vamos mostrando o que aprendemos, o que somos, em que nos transformamos, o que é autêntico e o que não é. É no começo da idade adulta que vamos nos definindo em todos os campos-o intelectual o emocional e o profissional. Nossa personalidade e maneira de pensar ficam mais perceptíveis, mas ainda podemos nos iludir, perder a nós mesmos, adiar decisões.

Quando chegamos na maturidade, mostramos o que realmente somos, o que aprendemos, o que nos complica e o que nos realiza, nossos pontos fortes e fracos, o que conseguimos e o que deixamos de lado, pode ser uma etapa muito rica, pois repensamos algumas decisões, buscamos novos desafios, podemos ser pessoas mais livres e realizadas, mesmo que o físico não seja mais o mesmo.

Porém, existem alguns que aprendem pouco com a vida, vivem por viver e se contentam com expectativas mínimas, e acreditam que não vale a pena ir além. Um dos grandes encantamentos da vida é poder evoluir, crescer, ser pessoas mais plenas, mesmo com muitas contradições, dificuldades e perplexidades.

Não podemos perder de vista que nossa vida é um processo contínuo de aprendizagem, de evolução e de realização e com certeza um desafio maravilhoso.